29 março, 2010

Ela

Tanta coisa
Aquilo que não se explica
Mistura fina vestida de mulher e menina
Do olhar e cheiro que só uma afro-brasileira provoca
Numa malemolência,
Daquelas que tira samba em viola de malandro
E deixa rasgos e rastros no peito da cartola
Com o guardanapo todo rabiscado
Embriagado por versos enternecidos

Se fosse por mim
Não falaria uma palavra sequer
Nem arranjaria esta poesia
Ficaria mulato calado
Impressionado
E guardaria na lua
Gotas daquele encanto

 “o amor é como a flor, que nasce e morre quando não se espera"

Diria ele pra mim
Nesta mesma noite
A quem eu implorava para que o sol não viesse
Deixando a morena eternizada naquela profunda madrugada

Mas lhe digo,
Coloque teu sorriso no caminho
Que eu vou passar com meu amor.





Por Bibi Serafim

2 comentários:

Larice disse...

caralho, Bibi. que coisa mais linda!

Gabriel " Bibi" disse...

brigado lala; escrito pela alma