13 abril, 2011

Bênção ao guerreiro

                                 para meu grande amigo, Henrique.



O vento brando e magoado
Alcançou o silêncio desta madrugada
A lua derramou sobre teus pés e cabeça
O sossego merecido ante o herói que batalha
E seu coração artilheiro e amado não precisa mais fazer gols para ser digno dos nossos aplausos

Abraça agora uma sincera despedida
Eis que os soluços da aurora terão piedade
Aprenderá a linguagem dos pássaros
E os arranjos que riscam o céu vão aliviar em ti o caminho destinado para a eternidade

Há uma trilha larga,
É só quem é, vai sentir.

Conduza-te sem rédea, sem cabresto e sem receio
A estreita passagem que hoje deságua seu oceano
Desata um sol outrora aflito e preso numa lamparina
Que durante a primavera e verão precisou de um escafandro
Suportando com bondade os dissabores do corpo
Para enfim o outono lhe soltar radiante e colorido
Na companhia das borboletas

Pode voar meu irmão.


“Mais ó
Conforme for, se precisar, afogar no próprio sangue assim será
Nosso espírito é imortal, sangue do meu sangue
Entre o corte da espada e o perfume da rosa
Sem menção honrosa, sem massagem
A vida é loka nêgo,
E nela eu tô de passagem.”




Por Bibi Serafim


4 comentários:

Bibi disse...

A sombra escura e tímida que meu chorar cego trancou palavras a sete chaves

Despeja aqui um gritante agradecimento por sua amizade e sua bondade.

bibi

Guilherme disse...

Muito obrigado pela suas palavras e homenagem bibi!
um grande abraço

João disse...

raciocinios bem articulados e ompreensivos, só não vou comentar a mais sobre o texto porque seria de uma intimidade maior. rs
abrçs

Bibi disse...

O gui, foi de coração irmão ;>


O João, cara obrigado mesmo pelo comentario nesse post e pelo outro q vc postou. Fico feliz por considerar legal essas coisas q escrevo. forte abraço